Oficina G3 pós PG // “Depois da Guerra”

Nos anos 80/90, com o início do “movimento gospel”, havia uma galera que curtia uma seleção de bandas de rock ou pop rock, dedicadas ao público cristão , que apresentavam estilos bem parecidos com outras bandas circulares famosas na época. Os evangélicos que gostavam de Legião Urbana, por exemplo, acabavam se identificando também com a banda Catedral. Sim, o público gospel também precisava de algo um pouco diferente daquilo que se ouvia nas rádios como músicas sacras ou “românticas” cantadas por Fernanda Brum, Aline Barros, Cristina Mel e outros do mesmo seguimento.

 
Banda Catedral

Liderada por Kim, Catedral é uma banda carioca que emplacou canções com letras de amor e de cunho político. Já a turma que curtia um som mais pop, colecionava álbuns da banda Novo Som, grupo bem parecido com a banda Roupa Nova. Com a voz marcante de Alex Gonzaga, Novo Som ganhou notoriedade no país nos anos 90 tocando composições poéticas.

De Brasília surgiu a banda Raízes, uma das melhores na minha opinião. Sem dúvidas, uma das mais tradicionais no cenário musical cristão. Poderia citar várias outras bandas bacanas como Resgate, Katsbarnea, Rebanhão, Fruto Sagrado…mas enfim…

Banda Novo Som

Banda Raízes

Hoje vamos comentar sobre Oficina G3. O Grupo, liderado pelo talentoso guitarrista Juninho Afram, também marcou época conquistando milhares de admiradores. Com um som mais pesado e exalando rock por onde passava, G3 surpreende até hoje com seu profissionalismo e criatividade nos arranjos musicais e nas letras. Fora que os integrantes da banda tocam muiiiiito!!! Eles estão frequentemente presentes em matérias de revistas especializadas em música. Amo a banda e para mim é uma das melhores do rock nacional.

A banda já venceu e foi indicada, por várias vezes, em premiações como os troféus Talento,Promessas e Grammy Latino, por suas produções. Com certeza, um ícone que iniciou o gênero do rock cristão brasileiro.

Ao longo de sua história, Oficina G3 passou por várias formações, mas sempre mantendo seu fundador e líder Juninho Afram. Os membros mais antigos são o baixista Duca Tambasco, o tecladista Jean Carllos e o próprio Afram. Como vocalistas, tiveram destaques Manga e PG. Sem querer desmerecer os outros, mas parece que tanto Manga quanto PG fizeram parte de momentos diferentes e importantes do grupo. O rock pesado cantado por Luciano Manga passou a dar lugar para o estilo mais guiado pelo pop rock na voz de PG. Acredito que esta última foi a fase de maior popularidade da banda, inclusive firmando contrato com a MK Music. Apesar de não ter agradado aos fãs antigos, não podemos negar que a era PG foi sim top!

Manga canta Espelhos Mágicos

PG canta O Tempo

Após a saída de seu principal vocalista, a banda segue o rumo com Juninho assumindo o vocal. Com o álbum Além do que os Olhos Podem Ver, Oficinaalcançou o disco de ouro! Para quem não acreditava que poderia dar certo, Juninho mandou bem levando o vocal e a guitarra juntos. Mas o Grammy Latino foi garantido mesmo em 2009 com o Mauro Henrique assumindo as canções da banda lançadas no CD Depois da Guerra. O estilo mudou um pouco. Mas G3 continua agradando e muito seus seguidores.

Mauro canta Incondicional

Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança)

No seu mais recente álbum, a banda reforça sua nova identidade musical. Além disso foi o primeiro do grupo a ser gravado fora do Brasil. Sua composição envolve situações da vida pessoal dos integrantes, como a morte da esposa do vocalista Mauro Henrique, além do divórcio de Duca Tambasco e Jean Carllos. O CD ficou bacana, e bem diferente da antiga Oficina G3 dos anos 90! Gostei do trabalho, mas não posso deixar de demonstrar a minha preferencia pela maravilhosa fase mais pop rock com o PG. Saudades…