Ética e Moral: A Sociedade pensa e age de modo coerente a preservar a vida?

Bem antes de nossa geração atual, culturas milenares, portadoras de grande sabedoria, já consideravam as questões éticas em seu relacionamento social. Povos antigos tinham uma visão de mundo que se revestia de caráter ético em todas as suas manifestações, pois também eram intrinsecamente ligados às crenças e ritos religiosos. Um exemplo é O Antigo Testamento que apresenta o texto dos dez mandamentos registrados por Moisés. Não podemos deixar de ressaltar que para alguns filósofos, como Sócrates, a Ética passa por amarras religiosas, ditadas pelos deuses de então, e é vista como decorrente da racionalidade do ser humano.

“Verdade, justiça, bondade e honestidade” foram temas recorrentes e aprofundados pelos gregos clássicos.

A Constituição Federal de 88 revela que os pilares legais do Estado brasileiro são marcadamente éticos. Há normas constitucionais inteiras dedicadas à Educação, ao atendimento médico, à segurança da população, à proteção dos índios e do meio ambiente, à segurança jurídica dos cidadãos e a diversos outros itens. Enfim, o Estado reproduz o que toda a sociedade brasileira busca: a Ética. Lindo, não? Direitos e deveres para a Nação Brasileira. Esses direitos realmente existem na prática? E por outro lado, os deveres são cumpridos?

“Por que o indivíduo seria honesto no escuro?”

(Niklas Luhmann)

Ter o dever de pagar impostos para o Governo possui a mesma importância de o cidadão ter o direito de receber segurança, educação e saúde com qualidade.

 

“Ética é termos a coragem de sermos o que realmente somos”

(victor D. Sallis)

 

Outro dilema é entender a realidade do que acontece no comportamento social. A conduta humana é suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal. O indivíduo exige seus direitos, mas sonega seus impostos, compra dvds piratas, faz o famoso “gato” para não pagar a conta de luz, utiliza a carteirinha de estudante de um colega para um evento, ou mesmo oferece e/ou paga suborno ao policial que o parou na blitz. Lembra do famoso jeitinho brasileiro? Então…

O cidadão tem a mania de exigir ética dos outros, mas esquece de praticar!  O problema é que geralmente buscamos uma justificação racional para nossos atos que contrariam a moral ou a Ética.

Uma das mais recentes preocupações éticas da humanidade é a questão ambiental. O mesmo indivíduo que propaga a campanha para economizar água em prol do Planeta, possui em sua casa uma enorme piscina. Empresários patrocinam projetos ambientais, mas continuam com suas indústrias poluentes seguindo a todo vapor.

Há realmente uma preocupação global com a vida na face da Terra?

A mesma autoridade que assume seu cargo público para proteger a sociedade contra a corrupção, acaba parando no banco dos réus por seus atos de ilícitos. Atos corriqueiros na vida prática do homem que acabam ultrapassando os limites da Moral.

Bem, em meio a tantos conceitos sobre ética e moral, uma coisa é certa, e que não podemos negar, há dois valores que, de fato, são universais: a vida humana e a importância do outro.

O ser humano precisa viver em sociedade. Em grupo. Para o bem ou para o mal é pelo contato com o outro e pela visão do outro que o indivíduo se reconhece como integrante dessa categoria chamada humanidade.

Com o tempo, o mundo, ao se tornar uma imensa “aldeia global”, ou seja, com o incremento da tecnologia de informação e comunicação, houve maior, mais eficiente e mais rápida integração entre indivíduos, grupos sociais e nações. Assim a questão ética vem à tona com relevância ainda maior. Por exemplo, nos dias atuais, a reputação de uma pessoa pode ser destruída no curto período de horas ou minutos, quando da emissão de juízos de valor por parte de um veículo de comunicação ou redes sociais. Infelizmente, há boatos que acabam se tornando “verdades” para quem acreditar, pois o destinatário da informação fica à vontade para criar seu próprio entendimento.

Conclusão. O que se deve ter em mente: Nas ações da Vida, a decisão final é de cada um, de acordo com seus princípios e consciência individual.