A vida é curta demais para não ser “vivida”!

Você sabe até quando vai viver?

Com raras exceções, em caso de doenças, por exemplo, ninguém sabe ao certo quando vai partir dessa para melhor.

A verdade é que somente Deus tem a resposta exata para isso.

O século atual tem sido marcado por um período de muitas mudanças. Mutações em todas as áreas possíveis existentes na vida de um ser humano.

O ramo tecnológico e o mercado econômico estão entre os principais focos de influências no comportamento social.

As pessoas estudam..trabalham…e muiiito! Somado a isso, a proliferação das redes sociais e os meios avançados de comunicação. Juntos acabam ocupando todo o tempo de um indivíduo no seu cotidiano.

Sou do tempo em que as crianças enchiam as ruas com brincadeiras e passavam um bom tempo conversando e sorrindo com os amigos. Era algo sociável, “próximo”.

Hoje vivemos a era do “Tempo é dinheiro”, “O tempo é curto” ou “O tempo está voando”.

Por que temos a sensação de que o tempo está passando mais rápido?

Pesquisadores ainda procuram respostas para essa pergunta, que se tornou tão comum nos dias de hoje. Acredito que uma boa parte da culpa está relacionada com a velocidade das criações das “coisas” de última geração.

O engraçado é que toda essa situação parece ser contraditória. A tecnologia disparou a oferecer velocidade a quem quiser consumi-la. A criação de um metrô em uma cidade proporciona ao morador, além de outros benefícios, o fato de não “perder” tempo. Ele pode sair de casa teoricamente mais tarde e chegar mais cedo, restando assim mais um tempo livre! Ocorre que muitos moradores ocupam esse mesmo tempo com outros trabalhos.

O cidadão precisa aumentar a sua renda. Mas muitas pessoas fazem isso não somente para comprar alimentos. O mundo moderno impulsiona o ser humano a consumir cada vez mais! E para isso há a necessidade de ocupar o tempo procurando meios para conseguir mais dinheiro. Cursos, faculdades, trabalhos extras e etc.

E ainda há uma sensação generalizada de que não conseguimos fazer tudo o que queremos. Falta tempo!

Falar sobre as atuais novidades da era digital é um caso polêmico. Uma espada de dois gumes. Não dá para negar que se tornou algo necessário. Mas seria um “mal” necessário?

Pois bem, de fato não sei a resposta. Nem acredito que haja algum consenso entre opiniões e pensamentos sobre isso.

Neste texto, convido o leitor a refletir mais sobre a organização do seu próprio tempo. Vale a pena ter mais proximidade com a família. Conquistar novos amigos e valorizar mais os antigos amigos. Sair para se divertir e tomar um sorvete na praça. Sonhar mais. Ouvir mais. Ler mais.

Viva!